domingo, 11 de junho de 2017

Louvor, Consolo e Esperança!

Graça e Paz! Eu sou o Irmão Jáder de Souza, sou membro da Igreja Evangélica Batista no Varadouro, Venho através desta solicitar a doação de qualquer valor para a compra de um Violão para trabalhos evangelísticos e visitas a famílias carentes, com um intuito de transmitir uma mensagem de fé elevar consolo e esperança às pessoas que por algum motivo estão impossibilitadas de frequentar uma igreja. Se você desejar poderemos lhe enviar relatório com fotos periodicamente desse trabalho.  Se você sentir de Deus em nos ajudar segue os dados de conta para depósito

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Pr Elimar Lopes - Paraguai - Conf. de Missões MEPB Fun. I

Conferencia Missionária Missão Evangélica Pentecostal do Brasil com a presença do Pr. Elimar Lopes, Missionário no Paraguai!

Porque estás abatida, ó minha alma? Pr Márcio Aires



Saudoso Pastor Márcio Aires, Homem de Deus! Gravado no Averssários da MEPB-Torre no ano de 2008. 

sábado, 3 de junho de 2017

10 Evidências da Existência de Jesus Cristo


Muitas pessoas, principalmente, os ateus tem diversas dúvidas da existência de Jesus Cristo, pois alegam que tudo não se passa de histórias criadas pela Igreja para fazer com que a população creia em uma determinada coisa. Um exemplo disso é Hildeberto Aquino que em uma matéria da Revista Época escreveu que “Jesus é a maior ilusão da humanidade…”. Porém, existem diversos estudos e trabalhos que comprovam a existência na Terra de Jesus Cristo e várias evidências são apontadas, as quais passamos a listar a partir de agora.
1° A Bíblia

A Bíblia é a principal evidência de Jesus Cristo na Terra e embora para muitos ela seja “O Livro Sagrado”, na realidade é um livro histórico que conta vários momentos marcantes da população da Palestina, do Egito, da Assíria, do Império Romano e, claro, de Jesus Cristo tem o cunho da verdade.
2° Obra Antiguidades Judaicas

O historiador judeu Flávio Josefo viveu na época de Jesus Cristo e em sua obra “Antiguidades Judaicas”, mais precisamente no capítulo terceiro do volume XVIII diz:
“… entretanto existia, naquele tempo, um certo Jesus, homem sábio… Era fazedor de milagres… ensinava de tal maneira que os homens o escutavam com prazer… Era o Cristo, e quando Pilatos o condenou a ser crucificado, esses que o amavam não o abandonaram e ele lhes apareceu no terceiro dia…”.
Este é um relato da época, escrito por um Judeu que viveu a existência de Jesus Cristo.
3° Anais de Públio Cornélio Tácito

Tácito era um convicto pagão romano (56 d.C. – 120 d.C.) e foi considerado um dos maiores historiadores da Antiguidade. Em seus Anais (parte XV), escreveu:
“… Nero infligiu as torturas mais refinadas a esses homens que sob o nome comum de cristãos, eram já marcados pela merecida das infâmias. O nome deles se originava de Cristo, que sob o reinado de Tibério, havia sofrido a pena de morte por um decreto do procurador Pôncio Pilatos…”.
4° Carta de Plínio.

Plínio, o Jovem (62 d.C. – 114 d.C.) foi um procônsul em Jerusalém e, ao escrever uma carta ao imperador Trajano, registrou práticas primitivas de adoração, incluindo o fato de que os cristãos adoravam Jesus como Deus e eram muito éticos, e inclui uma referência ao banquete do amor e a Santa Ceia, e relatou que:
“… maldizer Cristo, um verdadeiro Cristão não o fará jamais… cantam (os cristãos) hinos a Cristo, como a um Deus…”.
5° Obra Vitae Duodecim Caesarum (Os doze césares).

O historiador romano Suetônio (70 d.C. – 130 d.C.) escreveu em um trecho do livro quinto da obra “Os doze césares”, mais precisamente no capítulo XXV no qual evoca o imperador Tibério:
“… expulsou de Roma os judeus, que instigados por um tal Chrestus (Cristo), provocavam frequentes tumultos…”.
6° Urna de Tiago

A primeira prova arqueológica da existência de Jesus Cristo é uma urna de calcário que era usada à época para depositar os ossos na cidade de Jerusalém. O ossuário data de aproximadamente 63 d.C. e nele está escrito “Tiago, filho de José, irmão de Jesus”. Para estudiosos no assunto, o ossuário trata realmente de Tiago que era o irmão de Jesus Cristo.
7° Pergaminhos Sagrados

Outro grande achado da arqueologia e que trata sobre a existência de Jesus Cristo na Terra, são os Pergaminhos do Mar Morto que foram encontrados em Israel, na década de 1940. Os pergaminhos e papiros encontrados foram datados através da técnica de carbono-14 e confirmaram que se trata da época de Jesus Cristo (150 a.C. – 70 d.C.) e referem em vários pontos a um “mestre da justiça”.
8° Obra de Luciano de Samosata.

Luciano de Samosata foi um escritor grego do segundo século que admite que Jesus foi adorado pelos cristãos, introduziu novos ensinamentos e foi por eles crucificado. Ele disse que os ensinamentos de Jesus incluíam a fraternidade entre os crentes, a importância da conversão e de negar outros deuses. Os Cristãos viviam de acordo com as leis de Jesus, criam que eram imortais, e se caracterizavam por desdenhar da morte, por devoção voluntária e renúncia a bens materiais.
9° Escritos Gnósticos

O Evangelho da Verdade, O Apócrifo de João, O Evangelho de Tomé, O Tratado da Ressurreição, entre outros são considerados os escritos gnósticos e todos eles mencionam a existência de Jesus Cristo na Terra.
10° Mara Bar-Serapião.

Mara Bar-Serapião foi um escritor sírio e ficou conhecido por ter fornecido uma das maiores referências não judaica e não cristã sobre a existência de Jesus Cristo quando escreveu uma carta 40 anos depois da crucificação onde encoraja seu filho a adquirir conhecimento. Nesta carta, ele confirma que Jesus era conhecido como um homem sábio e virtuoso, considerado por muitos como rei de Israel, executado pelos judeus, e que continuou vivo nos ensinamentos de seus seguidores.

Fontes:
http://top10mais.org/top-10-evidencia-existencia-jesus-cristo/

http://www.gotquestions.org/Portugues/Jesus-existiu.html#ixzz3VjJHTAlo

Perseguição aos cristãos hoje é comparável à Roma de Nero, avalia estudioso



Perseguição aos cristãos hoje é comparável à Roma de Nero
Os cristãos atualmente estão enfrentando uma perseguição que estaria “em pé de igualdade” com o que ocorria sob o imperador romano Nero. Essa é a opinião de um importante ativista dos direitos humanos.
Um encontro promovido pela International Christian Concern em Washington, EUA, que reuniu ativistas e um desertor norte-coreano detalhou os graves abusos contra os direitos humanos perpetrados contra cristãos. Uma atenção maior foi dedicada à situação na Coreia do Norte, onde todos que vivem sob o regime comunista de Kim Jong-Un sofrem abusos.
Vários estudiosos do assunto apontaram que a conduta do ditador transformou o país no mais fechado do mundo, onde há uma tentativa deliberada de se extinguir o cristianismo.
Greg Scarlatoiu, diretor executivo do Comitê de Direitos Humanos na Coréia do Norte, afirmou: “Antes da tomada do poder comunista, a capital Pyongyang era conhecida como a ‘Jerusalém do Oriente’. Na Coréia do Norte, o cristianismo era praticado abertamente e a existência de várias igrejas na mesma rua [era] uma visão comum”.
O especialista já liderou esforços para a publicação de pelo menos 24 relatórios e livros sobre os abusos dos direitos humanos dos cristãos. Scarlatoiu lembrou que foi a partir da decisão do Comitê Provisório do Povo, em 1946, que a Coréia do Norte forçou o fechamento maciço de igrejas.
Os agitadores do Partido Comunista foram inseridos em comunidades cristãs católicas e evangélicas e começaram a criticar os sermões que não se alinhavam ao regime, destaca.
Em 1962, o então presidente Kim Il-sung, avô de Kim Jong-Um, afirmou: “não podemos avançar em direção a uma sociedade desenvolvida com pessoas religiosas. Por isso temos de julgar e punir aqueles que ocupam cargos de liderança nas igrejas protestantes ou católicas”.
Essa medida teve grande impacto, pois se em 1948, antes do comunismo, cerca de um quarto da população norte-coreana pertencia a alguma crença religiosa, em 2017 o número está agora abaixo de 1%.
Ao longo dos anos, o regime dos “Kim” matou centenas de milhares de seu próprio povo sob diversas alegações, começando com Kim Il-sung, continuando com seu filho, Kim Jong-il, e perpetuou-se com seu neto, Kim Jong-un.
Fazendo uma comparação com os índices atuais de perseguição, Scarlatoiu acredita que a liberdade religiosa é a principal questão na defesa dos direitos humanos no século 21. “Essa perseguição religiosa, em particular aos cristãos, é comparável com a Roma de Nero, bem como com o genocídio assírio, grego e armênio da Primeira Guerra Mundial ou o genocídio dos Yazidi”, sentenciou.

Fonte: GospelPrime


© Criado em 16 de junho de 2011 - Boa Informação